quinta-feira, 21 de setembro de 2017

EM SALOÁ, POLÍCIA CIVIL PRENDE SUSPEITOS DE ROUBO E RECEPTAÇÃO DE PRODUTOS ROUBADOS

Nesta quarta-feira (20/9), após alguns meses de intenso trabalho investigativo, a equipe desta Delegacia de Saloá, comandada pelo Delegado Alysson Câmara, com o apoio da equipe da Delegacia de Paranatama, deflagraram uma operação policial objetivando prender os suspeitos de terem adquirido ilegalmente vários produtos de crimes de furto/roubos praticados contra estabelecimentos comerciais, populares e instituição de ensino estadual localizada em Saloá, oportunidade na qual foram presas as pessoas de: Júlio César, 36 anos, funcionário público, Edvaldo Ferreira, 19 anos, desocupado, Wellisson Silva Cabral, vulgo “Xaropinho”, 20 anos, desocupado, Normanda Patrícia, 46 anos, professora, e um adolescente de 16 anos, também desocupado, todos residentes em Saloá/PE, segundo informações da Polícia Civil.
Em poder do grupo foram apreendidos diversos netebooks, notebooks, data show, caixa amplificada e gêneros alimentícios, subtraídos da escola de referência do ensino fundamental e médio Monsenhor João Marques (EREM), localizada no Loteamento José Alves Bezerra, Cohab de Saloá/PE.
Na oportunidade, também foram apreendidos diversos aparelhos de celulares, câmeras digitais, aparelho de DVD, notebooks, receptor de antena parabólica, chaves e documentos de carros, todos provavelmente roubados, além de inúmeras peças, placas e motos roubadas que se encontravam em um desmanche localizado na residência do investigado Wellisson Silva o “Xaropinho”, na Travessa Santa Quitéria, Centro da cidade.
De acordo com o delegado Alysson Câmara, o grupo foi autuado em flagrante pelo crime de RECEPTAÇÃO DOLOSA, mas há fortes indícios de o trio Edvaldo Ferreira, vulgo “Valdinho”, Wellisson Silva, o “Xaropinho” e o adolescente L.C.L.F, juntamente com outros comparsas sejam responsáveis pelos sucessivos crimes de furto e roubos que vem acontecendo na cidade, paralelamente a outro grupo desbaratado pela delegacia, recentemente.
Após os procedimentos legais e de praxe, uma vez tratando-se de crime afiançável, a Autoridade Policial arbitrou fiança em favor do grupo no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) cada, os quais pagaram a referida quantia e responderão ao processo em liberdade, ficando à disposição da Justiça da Comarca de Saloá.
As investigações prosseguem no sentido de colher maiores indícios contra o grupo criminoso a fim de esclarecer seu envolvimento nos crimes contra o patrimônio praticados nesta cidade, razão pela qual o Delegado e equipe pede que as possíveis vítimas compareçam à Delegacia de Saloá a fim de reconhecerem seus objetos e reavê-los.

Fonte: agreste violento

Nenhum comentário:

Postar um comentário