domingo, 12 de fevereiro de 2017

Saloaense Marlos dos Santos Araujo morto em Santa Catarina



Marlos dos Santos Araujo era um cara tranquilo e do bem, que não se envolvia em coisas erradas, segundo seus amigos. Logo ia ser pai, da criança que a ex-namorada carrega na barriga. Era garçom em uma conhecida temakeria de Balneário Camboriú. Após o trabalho, na noite de sexta-feira, ele e os colegas fizeram um churrasco. O rapaz de 29 anos estava feliz e animado. Contou aos colegas que ia pegar um carro novo.
Horas depois, a polícia o encontrou morto, caído ao lado do meio-fio da Rua 2850 com um corte no pescoço. A faca estava na calçada, próximo a seu corpo. Sem poder se defender da acusação, lhe foi imputado o crime de tentativa de estupro. Uma jovem de 21 anos o acusou de tentar estuprá-la dentro de seu carro. Nenhuma testemunha, apenas a história contada por aquela que se diz vítima.
Uma história bem estranha por sinal. Não era a primeira vez que Marlos saia com a jovem G.B. Amigos confirmam que eles se relacionavam há algum tempo. G.B. também já namorou um colega de Marlos. Inclusive os três já haviam saído juntos. Curiosamente, segundo relatos, a faca usada para tirar a vida de Marlos, uma faca de sushiman, seria de propriedade do ex-namorado de G.B.
A moça disse que foi ameaçada com esta faca, quando Marlos teria tentado forçá-la a ter relações dentro do carro. Ela queria parar, ele não. Em um ato de muita coragem – e força – G.B. teria enfrentado Marlos e o jogado para fora do carro. De alguma forma, a faca atingiu o pescoço do rapaz. Para escapar da tentativa de estupro, G.B. pulou para o banco do motorista, assumiu a direção, acelerou em direção à Terceira Avenida, e duas esquinas depois bateu em um carro estacionado. Sem ter para onde fugir, ligou para o 190.
Ela realmente estava fugindo de uma tentativa de estupro, ou fugia de um homicídio? Marlos teve realmente o azar de cair do carro e ser atingido pela faca que supostamente estava segurando em sua mão, ou teria sido esfaqueado por alguém? Será que a jovem agiu em legítima defesa, ou teria mentido para a polícia em legítimo vitimismo para sair como inocente? Uma fatalidade ou um crime premeditado? Teria um terceiro envolvido na história?
Aguardemos a investigação da polícia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário