quarta-feira, 19 de novembro de 2014

V GERES prepara profissionais de saúde da região sobre o Vírus Chikungunya‏

A V Gerência Regional de Saúde está mobilizando os 21 municípios da
sua área de abrangência, em reuniões e capacitações, para a
possibilidade do surgimento de casos da febre Chikungunya na região -
doença causada por um vírus do gênero Alphavirus, transmitida por
mosquitos do gênero Aedes, sendo Aedes aegypti e Aedes albopictus, os
principais vetores. A princípio, os casos são parecidos com a Dengue,
também provocada por mosquito.
Após orientações da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da
Saúde (SVS/MS) sobre ações de vigilância a serem realizadas sobre a
Febre do Chikungunya, a Secretaria Estadual de Saúde, através da
Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde do Estado, realizou
encontros com representantes das vigilâncias epidemiológicas e
ambientais dos municípios da Região Metropolitana do Recife, Zona da
Mata e Agreste, além das 12 Regionais de Saúde, e divulgou nota
técnica com recomendações aos profissionais de saúde.
Luiz Melo, da V GERES, intensificou encontros com os representantes da
saúde dos municípios. "Estamos buscando deixar a
região em alerta, planejando ações que possam prevenir e antecipando
diagnósticos que possibilitem maior agilidade nos tratamentos, caso a
doença chegue à nossa região, a exemplo da Dengue". Informa Luiz Melo.
SINTOMAS DA DOENÇA - são clinicamente semelhantes aos da dengue –
febre de início agudo, dores articulares e musculares, cefaleia,
náusea, fadiga e exantema. A principal manifestação clínica que a
difere da dengue são as fortes dores nas articulações. Além dessa fase
inicial pode evoluir em duas etapas subsequentes: fase subaguda e
crônica. Embora a febre de chikungunya não seja uma doença de alta
letalidade, tem elevada taxa de morbidade associada à artralgia
persistente, que pode levar à incapacidade e, consequentemente,
redução da produtividade e da qualidade de vida.
Os cuidados são os mesmos que previnem à dengue, e por isto os meios
de comunicação têm papel fundamental, além da vigilância da própria
população.
Sobre informações da Secretaria Estadual de Saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário