quinta-feira, 23 de outubro de 2014

PROFESSORES ESTÃO EM ESTADO DE GREVE EM SALOÁ-PE

Cerca de 60 professores lotaram as dependências da câmara municipal de vereadores de Saloá na manhã desta quinta (23), para decretarem de vez estado de greve no nosso município. Por unanimidade de todos os profissionais presentes foi votado que a reivindicação da classe continua, até porque não houve qualquer proposta por parte da gestão pública.

foto Saloá destaca
Ficou definida que a data de 04 de Novembro é o dia que os professores irão parar todas as atividades educacionais, caso não se chegue a nenhum acordo com a prefeitura. A data foi acordada para que se cumpra todas as etapas de GREVE constitucional e os prazos previstos na lei sejam respeitados.

Dentre tantos direitos, os professores lutam para que tenham direito ao repasse de 8,32% (Piso) que vem sendo negado pela prefeitura de Saloá a esses profissionais desde Janeiro de 2014. O interessante é que todos os meses a prefeitura recebe esse dinheiro do governo federal e por incrível que pareça não o repassa para o quadro efetivo do município, acumulando assim uma dívida com a classe muito alta (algo em torno de 150 aos 200 mil reais).

Outro fato interessante é que o governo municipal não mandou sequer um representante para a reunião para ser chegar em algum tipo de acordo, limitou-se apenas a enviar um documento citando algumas leis e tentando convencer para não realização da GREVE sem nenhuma proposta efetiva.

Logo após a reunião que ficou acertada o estado de greve, os professores fizeram uma passeata pela praça São Vicente, para que toda a sociedade pudesse ver a união em torno dos direitos que estão sendo negados, com direito a serviço de som para que as pessoas soubessem sobre quais direitos estão sendo reivindicados. Alguns professores aposentados também foram solidários a causa e participaram da reunião e da passeata.

Como bem frisou a representante do SINDUPROM-PE, a professora Cida, “a greve quem faz não são os professores, são o prefeito e a secretária de educação que insistem em não negociar com a categoria”.

A comissão eleita para representar a classe, agora irá enviar documentação para o prefeito e caso o mesmo não se manifeste, os professores efetivos irão parar suas atividades no próximo dia 04 de novembro.


Lembrando que se a GREVE for realmente deflagrada, será a 1ª greve vista no município de Saloá desde sua independência política no ano 1963. Esperamos que nenhum profissional que participou deste ato sofra qualquer tipo de perseguição ou retaliação, afinal qualquer trabalhador tem direito a greve.

texto: blog do vereador wellington freitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário