sábado, 8 de junho de 2013

Pernambuco pretende vacinar 630 mil crianças contra a paralisia infantil

A Secretaria de Saúde de Pernambucoabre a campanha de vacinação contra a poliomielite (paralisia infantil), neste sábado (8), com a expectativa de vacinar 630 mil crianças em todo o estado. Devem ser imunizadas crianças com idade de 6 meses a 5 anos. No Dia D da campanha, os postos de vacinação serão montados em locais de grande circulação, como shoppings, mercados e parques, além de unidades de saúde.
Segundo o Ministério da Saúde, neste ano, assim como em 2012, crianças menores de seis meses serão vacinadas com a dose injetável, considerada mais segura e eficaz pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Vale lembrar que não existe tratamento para a poliomielite e somente a prevenção, por meio da vacinação. A vacina protege contra os três sorotipos do poliovírus 1, 2 e 3. A eficácia da imunização é em torno de 90% a 95%. Ela é recomendada mesmo para as crianças que estejam com tosse, gripe, coriza, rinite ou diarreia.

A vacina é extremamente segura e não há contraindicações, sendo raríssimas as reações associadas à administração da mesma. Em alguns casos - como, por exemplo, em crianças com infecções agudas, com febre acima de 38ºC ou com hipersensibilidade a algum componente da vacina -, recomenda-se que os pais consultem um médico para avaliar se a vacina deve ser aplicada.

Casos
O último caso registrado de poliomielite no Brasil foi em 1989, na Paraíba. As ações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) estão voltadas à manutenção do país livre do poliovirus selvagem. Desde 1994, o país mantém o certificado emitido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de erradicação da poliomielite.

De acordo com a OMS, entre os anos de 2011 e 2012, 16 países registraram casos da doença. A maioria é decorrente de importações do poliovirus selvagem de países endêmicos (Afeganistão, Nigéria e Paquistão) ou de países que restabeleceram a transmissão (Angola, Chade e República do Congo). No ano de 2013 (até 22 de maio), foram registrados 32 casos, sendo 8 no Paquistão, 22 na Nigéria e 2 no Afeganistão. Por isso, para evitar a reintrodução do vírus no Brasil, é fundamental a manutenção da vacinação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário